ENTRAR            

 


 

PARANINFO DIGITAL 2015;22:049

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar este texto

Ir a Sumario

Documento anterior

Documento siguiente

Enviar correo al autor

Sin Ttulo


Modalidad de presentación:
comunicación digital

 

REF.: 049d

O processo de enfermagem e sua base legal sob a ótica de pós-graduandos em terapia intensiva
Fernanda de Carvalho Dantas, Carolina Do Val Alonso, Isabela Valente Ribeiro, Claudia de Carvalho Dantas
Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, Brasil

Rev Paraninfo digital, 2015: 22

Cómo citar este documento
Dantas, Fernanda de Carvalho; Alonso, Carolina Do Val; Ribeiro, Isabela Valente; Dantas, Claudia de Carvalho. O processo de enfermagem e sua base legal sob a ótica de pós-graduandos em terapia intensiva. Rev Paraninfo Digital, 2015; 22. Disponible en: <https://www.index-f.com/para/n22/049.php> Consultado el

A Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) é a forma científica que o enfermeiro possui para transformar e desenvolver o serviço de enfermagem pautado em um modelo teórico/teoria. Autoras reforçam que a SAE deve ser realizada em quaisquer cenários onde exista o trabalho realizado pela enfermagem: ensino, pesquisa, assistência e/ou administração. Vale ressaltar que, quando o trabalho é realizado no âmbito assistencial, a SAE possui como instrumento metodológico o processo de enfermagem (PE). Destarte, para realizar o PE, é obrigatório o desenvolvimento de cinco etapas: histórico de enfermagem ou coleta de dados de enfermagem [seguir leyendo].
 

Bibliografía

1. Dantas CC, Dantas FC. Care systematization, nursing process and consultation: meanings and applications. J Nurs UFPE on line. 2013 Set; 7 (9): 5363-5365.
2. Brasil. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução Nº 358/2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. Brasília (DF): Cofen; 1997.
3. De la Cuesta C. The Nursing Process: from development to implementation. J Adv Nurs. 1983;8:365-71.
4. Huitzi-Egilegor Joseba Xabier, Elorza-Puyadena Maria Isabel, Urkia-Etxabe Jose Maria, Esnaola-Herrero Maria Victoria, Asurabarrena-Iraola Carmen. Retrospective study of the implementation of the nursing process in a health area. Rev. Latino-Am. Enfermagem  2013;  21( 5): 1049-1053.
5. Lavin MA, Meyer G, Carlson JH. A review of the use of nursing diagnosis in U.S. Nurse Practice Acts. Nurs Diag. 1999;10(2):57-64.
6. García-Carpintero J, Piñón M. ¿Por qué no siempre funciona el PAE? Rol Enferm. 1994;195:63-6.
7. Martín E, García F, Asenjo A. Diagnósticos de enfermería. Estrategias de implantación. Rol Enferm. 1997;225:57-63.
8. Cuesta A, Luis MT, González P, Germán C, Coscollá E, Benavent MA, et al. El diagnóstico de enfermería en España, ¿una realidad apreciable? Index Enferm. 1995; 1423:12-13.
https://www.index-f.com/index-enfermeria/12-13/1423.php.
9. Vargas MAO, Ramos FRS. Responsabilidade no cuidar: do tempo que nos toca viver como enfermeiros/as intensivistas. Rev. esc. enferm. USP. 2011; 45(4): 876-883.
10. Brasil. Conselho Federal de Enfermagem. Lei 7498/86. Dispõe sobre o exercício profissional da enfermagem e dá outras providências. Brasília: COFEN; 1986.
11. Brasil. Conselho Federal de Enfermagem. Decreto-lei nº 94.406/1987. Regulamenta a Lei nº 7498/86 sobre o exercício da enfermagem e dá outras providências. Brasília: COFEN; 1987.
12. Brasil. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 358/2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de enfermagem, e dá outras providências. Brasília: COFEN; 2009.
13. Bireme. Biblioteca virtual em saúde. Descritores. Disponível em: https://decs.bvs.br/. Acesso em: 02 jul. 2015.
14. Martins HHTS. Metodologia qualitativa de pesquisa. Educ. Pesqui. 2004; 30(2): 289-300.
15. Lakatos, Eva Maria; Marconi, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5° Edição. São Paulo: Atlas, 2003.
16. Biderman, Maria Tereza Camargo. O conhecimento, a terminologia e o dicionário. Cienc. Cult.2006; 58(2): 35-37.
17. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466/2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: CNS; 2012.
18. Huitzi-Egilegor JX, Elorza-Puyadena MI, Urkia-Etxabe JM, Asurabarrena-Iraola C. Implementação do processo de enfermagem em uma área da saúde: modelos e estruturas de avaliação utilizados. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2014; 22(5):772-777.
19. Takahashi AA, Barros ALBL de, Michel JLM, Souza MF de. Dificuldades e facilidades apontadas por enfermeiras de um hospital de ensino na execução do processo de enfermagem. Acta Paul Enferm. 2008; 1(21): 32-38
20. Andrade JS, Vieira MJ. Prática assistencial de enfermagem: problemas, perspectivas e necessidades de sistematização. Rev Bras Enferm. 2005;58(3):261-5.
21. Leadebal ODCP, Fontes WD, Silva CC. Ensino do processo de enfermagem: planejamento e inserção em matrizes curriculares. Rev. esc. enferm. USP 2010; 44(1): 190-198.
22. Alves AR, Lopes CHAF, Jorge MSB. Significado do processo de enfermagem para enfermeiros de uma unidade de terapia intensiva: uma abordagem interacionista. Rev. esc. enferm. USP. 2008; 42(4): 649-655.

Principio de p�gina
error on connection