ENTRAR            

 


 

PARANINFO DIGITAL 2014;20:456

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar este texto

Ir a Sumario

Documento anterior

Documento siguiente

Enviar correo al autor

Sin Ttulo


Modalidad de presentación:
comunicación oral

 

REF.: 456o

Concepções de saúde e cuidado à saúde de famílias de agricultores do Sul do Rio Grande do Sul, Brasil
Teila Ceolin, Rita Maria Heck,1 Renata Menasche,1 María-Antonia Martorell-Poveda,2 Nivea Shayane Costa Vargas,1 Camila Timm Bonow1
(1) Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, Brasil. (2) Universitat Rovira i Virgili. Tarragona, España

Rev Paraninfo digital, 2014: 20

Cómo citar este documento
Ceolin, Teila; Heck, Rita Maria; Menasche, Renata; Martorell-Poveda, María-Antonia; Costa Vargas, Nivea Shayane; Bonow, Camila Timm. Concepções de saúde e cuidado à saúde de famílias de agricultores do Sul do Rio Grande do Sul, Brasil. Rev Paraninfo Digital, 2014; 20. Disponible en: <http://www.index-f.com/para/n20/456.php> Consultado el 03 de Julio del 2022

 

A área rural deve ser entendida em sua dupla face, enquanto um espaço físico diferenciado e um lugar de vida. Neste contexto o trabalho esta presente em todos os aspectos de vida dos indivíduos. Este espaço possui um valor importante, pois contem significados sobre as relações pessoais, de trabalho e histórias de vida. Existem diversos fatores culturais que interferem na vida do agricultor e da família rural, como os hábitos alimentares, sua relação com o trabalho, os quais refletem no cuidado à saúde e na qualidade de vida. Estas particularidades culturais precisam ser consideradas em todos os grupos sociais, buscando a realização de um cuidado que busque aproximar o profissional e o indivíduo [seguir leyendo].

Bibliografía

1. Wanderley MNB. A ruralidade no Brasil moderno. Por um pacto social pelo desenvolvimento rural. In: Giarracca N. ¿Una nueva ruralidad en América Latina? Buenos Aires (AR): CLACSO; 2001. p. 31-44.

2. Alves HJ, Boog MCF. Representações sobre o consumo de frutas, verduras e legumes entre fruticultores de zona rural. Rev. nutr. 2008;21(6):705-15.

3. Budó MLD, Saupe R. Modos de cuidar em comunidades rurais: a cultura permeando o cuidado de enfermagem. Texto & contexto enferm. 2005;14( 2):177-85.

4. Ceolin T. et al . Plantas medicinais: transmissão do conhecimento nas famílias de agricultores de base ecológica no Sul do RS. Rev. Esc. Enferm. USP. 2011;45(1):47-54.

5. Hoeffel JLM, Gonçalves NM, Fadini AAB, Seixas SRC. Conhecimento tradicional e uso de plantas medicinais nas APAS�S Cantareira/SP e Fernão Dias/MG. Revista VITAS 2011; 1: 1-25. Disponível em: http://www.uff.br/revistavitas/images/artigos/HOEFFEL%20et%20al.%20CONHECIMENTO%20TRADICIONAL%20E%20USO%20DE%20PLANTAS%20MEDICINAIS.pdf Acesso em: 30 ago. 2013.

6. Fernandes GCM, Boehs AE. Contribuições da literatura para a enfermagem de família no contexto rural. Texto & contexto enferm. 2011; 20(4):803-11.  

7. Lopes CV et al. Informantes folk: concepções de saúde. Texto & contexto enferm.  2013; 22(4): 1152-9.

8. Bellera LR, Boixadera i Vendrell M, Surroca CB, Martorell Poveda MA, Piñeiro Méndez P, Zamora Sánchez JJ. Empoderamiento y poder - su vinculación en el proceso de cuidar al enfermo crónico en atención primaria. Rev. ROL enferm. 2014; 37(6): 32-39.

9. Pereira VA, Lima MGSB. A pesquisa etnográfica: construções metodológicas de uma investigação. In: VI Encontro de Pesquisa em Educação da UFPI, 2010, Teresina. Anais do VI Encontro de Pesquisa em Educação da UFPI. Teresina: Universidade Federal do Piauí, 2010, p. 1-13.

10. Gibbs G. Análise de dados qualitativos. Porto alegre: Artmed; 2009.

11. Carreira L, Alvim NAT. O cuidar ribeirinho: as práticas populares de saúde em famílias da ilha Mutum, Estado do Paraná. Acta sci., Health sci. 2002; 24(3): 791-801.

12. Azevedo E, Pelicioni MCF. Promoção da Saúde, Sustentabilidade e Agroecologia: uma discussão intersetorial. Saúde Soc. 2011; 20(3):715-29.

13. Cruz MM. Concepção de saúde-doença e o cuidado em saúde. In: Gondim R, Grabois V, Mendes Junior WV (Org.). Qualificação dos Gestores do SUS. 2ª ed. Rio de Janeiro: Fiocruz/ENSP/EAD; 2011. p.21-33.

14. Machado MFAS, Monteiro EMLM, Queiroz DT, Vieira NFC, Barroso MGT. Integralidade, formação de saúde, educação em saúde e as propostas do SUS - uma revisão conceitual. Ciênc. saúde coletiva. 2007; 12( 2): 335-42.

15. Mejia LD,  Lopez L. La familia y la cultura: una conexión innovadora para el cuidado de la salud. Index Enferm [online]. 2010; 19(2-3):138-142 .

16. Azevedo E, Pelicioni MCF. Agroecologia e promoção da saúde no Brasil. Rev. panam. salud pública. 2012;31(4):290-5.

17. Braga V. Cultura Alimentar: contribuições da antropologia da alimentação. Saude rev. 2004;6(13):37-44.

18. Kreutz I, Gaiva M, Azevedo RCS. Determinantes sócio-culturais e históricos das práticas populares de prevenção e cura de doenças de um grupo cultural. Texto & contexto enferm. 2006 jan/mar;15(1):89-97.

19. Carneiro FF, Pignati W, Rigotto RM, Augusto LGS, Rizollo A, Muller NM, et al. Dossiê ABRASCO. Um alerta sobre os impactos dos agrotóxicos na saúde. Agrotóxicos, Segurança Alimentar e Nutricional e Saúde. Rio de Janeiro: ABRASCO; 2012.

20. Baggio MA, Erdmann AL. Relações múltiplas do cuidado de enfermagem: o emergir do cuidado �do nós�. Rev. latinoam. enferm. 2010 set/out;18(5):1-8.

21. Piriz MA, Mesquita MK, Ceolin T, Mendieta MC, Heck RM. Informantes folk em plantas medicinais e as práticas populares de cuidado à saúde. Rev. enferm. UFPE on line. 2013; 7(9): 5435-41.

22. Monteiro DA, Iriart JAB. Homeopatia no Sistema Único de Saúde: representações dos usuários sobre o tratamento homeopático. Cad. saúde pública. 2007;23(8): 1903-12.

23. Zillmer JGV. et al. The present-day rural family: a challenge for nursing. Rev. enferm. UFPE on line. 2009; 3(3): 319-324.

24. Borges AM, Ceolin T, Barbieri RL, Heck RM. A inserção das plantas medicinais enquanto prática da enfermagem: um crescente desafio. Enferm. glob. 2010;18: 1-8.

Principio de p᧩na
error on connection