ENTRAR            

 


 

PARANINFO DIGITAL 2014;20:371

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar este texto

Ir a Sumario

Documento anterior

Documento siguiente

Enviar correo al autor

Sin Ttulo


Modalidad de presentación:
comunicación oral

 

REF.: 371o

Estudos de Enfermagem no contexto do HIV/AIDS no Brasil e a contribuição epistemológica da Fenomenologia
Tassiane Ferreira Langendorf, Ivis Emília de Oliveira Souza, Pilar Almansa Martínez, Stela Maris de Mello Padoin
Universidade Federal do Rio de Janeiro. Río de Janeiro, Brasil

Rev Paraninfo digital, 2014: 20

Cómo citar este documento
Langendorf, Tassiane Ferreira; Souza, Ivis Emília de Oliveira; Almansa Martínez, Pilar; Padoin, Stela Maris de Mello. Estudos de Enfermagem no contexto do HIV/AIDS no Brasil e a contribuição epistemológica da Fenomenologia. Rev Paraninfo Digital, 2014; 20. Disponible en: <http://www.index-f.com/para/n20/371.php> Consultado el 06 de Junio del 2020

 

A infecção pelo HIV e adoecimento pela AIDS ainda alcançam dimensões epidemiológicas consideráveis no Brasil, mesmo com um forte investimento governamental na atenção à saúde no que diz respeito à prevenção, controle e ao tratamento. Destaca-se que as diferentes vulnerabilidades e os desafios na assistência à saúde das pessoas que vivem com HIV/aids transcendem as questões puramente biológicas, exigindo o empenho dos profissionais de saúde no sentido de produzir conhecimento desenvolvendo desenhos de pesquisa qualitativos que sejam uma alternativa aos modos de olhar os problemas de saúde pública [seguir leyendo].

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Boletim Epidemiológico. Ano II - nº 01 - até semana epidemiológica 26ª. Brasília, DF: dezembro de 2013.

2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Recomendações para Profilaxia da Transmissão Vertical do HIV e Terapia Antirretroviral em Gestantes. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

3. Brasil. Ministério da Saúde. Plano Integrado de Enfrentamento da Feminização da Epidemia de Aids e outras DST. Brasília, 2009.

4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Recomendações para terapia antirretroviral em adultos infectados pelo HIV � 2008. Suplemento III - Tratamento e prevenção. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

5. Almeida IS, et al. O caminhar da enfermagem em fenomenologia: revisitando a produção acadêmica. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2009;11(3):695-9. Available from: http://www.fen.ufg.br/revista/v11/n3/v11n3a30.htm.

6. Bruyne P, Herman J, Schoutheete M. Dinâmica da Pesquisa em Ciências Sociais: polos da prática metodológica. 5ª ed. 252 p. 1991.

7. Macêdo SM, Sena MCS, Miranda KCL. Consulta de enfermagem ao paciente com HIV: perspectivas e desafios sob a ótica de enfermeiros. Rev. Bras. Enferm. vol.66 no.2 Brasília mar./abr. 2013.

8. Oliveira MFV, Carraro TE. Cuidado em Heidegger: uma possibilidade ontológica para a enfermagem. Rev Bras Enferm, Brasília 2011 mar-abr; 64(2): 376-80.

9. Capalbo C. Fenomenologia e ciências humanas. Londrina (PR): UEL; 1996.

10. Silva JMO, Lopes RLM, Diniz MNF. Fenomenologia. Rev. Bras. Enferm., Brasília. 2008 mar-abr; 61(2):254-7.

11. Moreira RCR, Lopes RLM, Santos NA. Entrevista fenomenológica: Peculiaridades para la producción científica en enfermería. Index Enferm, Granada. 2013 ene.-jun.; 22(1-2).

12. Paula CC, et al. Modos de condução da entrevista em pesquisa fenomenológica: relato de experiência. Revista Brasileira de Enfermagem (Impresso), 2014; 67(3), p. 468-72.

Principio de p᧩na