ENTRAR            

 


 

PARANINFO DIGITAL INDEX

 

 

 

 

 

 

 

SumᲩo

Documento anterior

Documento seguinte

Enviar email ao autor

Sin Ttulo

Modalidade d'apresentação: póster
Seção:
El cuerpo vivido y la salud percibida

 

 

 

 

 

REF.: P-41
País: Brasil

Convivendo com a dor e a amputação: a experiência do paciente com Doença Arterial Obstrutiva Crônica
Maria Clara Cassuli Matheus, Fátima Soares Pinho
Universidade Federal de São Paulo, Brasil

Correspondência: Rua Estado de Israel, 435, ap 72B, CEP 04022-001 São Paulo SP (Brasil)

Rev Paraninfo digital, 2007: 1

 

Como citar este documento

Matheus, Maria Clara Cassuli; Pinho, Fátima Soares. Convivendo com a dor e a amputação: a experiência do paciente com Doença Arterial Obstructiva Crônica. Rev Paraninfo Digital, 2007; 1. Em: <http://www.index-f.com/para/n1/p041.php> Consultado o 11 de Agosto del 2022

RESUMO

Introdução: As conseqüências mórbidas da Doença Arterial Obstrutiva Crônica requerem da pessoa conviver com situações que precisam ser mediadas pela ação da enfermeira. Objetivo: compreender como o paciente lida com as conseqüências desta doença. Método: Utilizou-se a Grounded Theory. Foram entrevistados pacientes internados e ambulatoriais de um hospital da cidade de São Paulo entre abril de 2003 e maio de 2004 que compuseram quatro grupos amostrais. Resultados: Como é a dor intensa que limita, inicialmente, sua vida o fenômeno tendo a vida restrita pela dor decorre da comparação que faz entre o nível de interações que tinha antes e depois da instalação da doença. Quando a obstrução arterial evolui e o tratamento não impede a progressão da isquemia a mutilação torna-se real e começa a ponderar sobre o curso de sua vida. Como todos os aspectos dela não são, nem ao menos satisfatórios, este fenômeno foi denominado sentindo-se condenado. Ficar livre da dor mesmo perdendo um membro é o que consola o paciente, ao decidir-se por uma cirurgia tão mutiladora. Apesar de prever novas limitações, optar pela amputação é a única forma de evitar a morte, mas principalmente é a possibilidade de resgatar sua autonomia, buscando retomar a vida.

Conclusión principal. O componente essencial que marca o processo social básico experienciado pelo paciente com Doença Arterial Oclusiva Crônica é buscando mobilizar-se para a vida apesar da dor ou da amputação, pois subsidia as decisões, sentimentos e comportamentos nas fases da doença e explica que nem sempre esta busca tem sucesso ou é satisfatória não só por causa da sua evolução, mas também porque a busca é um movimento íntimo e contínuo. Os enfermeiros ao agregarem estas evidências ao julgamento clínico possuem mais subsídios para detectar diagnósticos de enfermagem e optarem por intervenções que fortaleça o processo social básico vivenciado pelo paciente, portador dessa afecção.

Principio de p᧩na 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería