ENTRAR            

 


 

CULTURA DE LOS CUIDADOS ISSN:1138-1728 3904 2015 n41 r41114

 

 
Antropología

 Ir a sumario    Acceso al texto completo

Cultura de los Cuidados
[
Cul Cuid]
2015 ene-abr; XIX(41): 114-125

Manuscrito recibido: 17/11/2014
Aceptado: 13/02/2015

 Salud en las Prisiones: lo que hablan los trabajadores de enfermería

 

Fernanda de Jesus dos Santos,1 Danielly Santos dos Anjos Cardoso,2 Mércia Zeviani Brêda,3 Laís de Miranda Crispim Costa4

(1) Graduanda de Enfermagem da Universidade Federal de Alagoas - UFAL. (2) Enfermeira, mestre em enfermagem, professora professora assistente da Escola de Enfermagem e Farmácia - ESENFAR da UFAL. (3) Enfermeira, doutora em enfermagem, professora professora assistente da ESENFAR. (4) Enfermeira, mestre em enfermagem, professora assistente da ESENFAR, doutoranda do Programa de Pós-graduação e Pesquisa da Escola Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro.


Cómo citar este documento:
Santos, Fernanda de Jesus dos; Cardoso, Danielly Santos dos Anjos; Brêda, Mércia Zeviani; Costa, Laís de Miranda Crispim. Salud en las Prisiones: lo que hablan los trabajadores de enfermería. Cultura de los Cuidados. 2015 ene-abr, XIX(41). En: <http://www.index-f.com/cultura/41/41114.php> Consultado el
 

Resumen

Objetivo: Analizar la asistencia sanitaria prestada a las personas menores de confinamiento en el sistema penitenciario en la vista de la enfermería. Metodología: Estudio exploratorio, un enfoque cualitativo para analizar la discusión de los participantes, a partir de la pregunta orientadora: ¿De qué manera el personal de enfermería percibe la asistencia sanitaria ofrecida en el sistema penitenciario? La recolección de datos se realizó a través de entrevistas grabadas con la firma de los términos de consentimiento libre e informado, realizado en abril de 2014, con 21 miembros del personal de enfermería del complejo penitenciario de Maceió-AL, tal como fue aprobado por el Comité de Ética y Investigación Plataforma UFAL vía Brasil y por el CAAE No 25016814.6.0000.5013, recibiendo consentimiento a la publicación del mismo Protocolo 560 840. Resultados: En el análisis de las entrevistas, surgieron tres categorías: Muchas dificultades, algunos privilegios; El estrés, el miedo y la participación; La atención de la salud de fuerza institucional. Conclusión: Este estudio contribuye al conocimiento sobre el tema en cuestión, y el debate sobre la atención de salud ofrecida en el sistema penitenciario a fin de mejorar la prestación de servicios y atención las personas privadas de libertad.
Palabras clave: la cárcel; cuidado de la salud; enfermería; la salud pública


Abstract
Health in Prisons: the speaking nursing workers 

Objective: To analyze the health care provided to persons under confinement in the penitentiary system in the view of nursing. Methodology: An exploratory study, a qualitative approach to analyze the discussion of participants, from the guiding question: How do the nursing staff perceive the health care offered in the prison system? Data collection was performed through recorded interviews with the signing of terms of free and informed consent, conducted in April 2014, with 21 nursing staff of the penitentiary complex Maceió-AL, as approved by the Ethics Committee and research Platform UFAL via Brazil, and by CAAE No 25016814.6.0000.5013, receiving assent to its publication as protocol 560 840. Results: From the analysis of the interviews, three categories emerged: Many difficulties, some privileges; Stress, fear and involvement; Institutional force-health attention. Conclusion: This study contributes to the knowledge on the topic in question, and the debate on health care offered in the prison system in order to improve service delivery and care persons deprived of liberty.
Keywords: prison; health care; nursing; public health


Resumo
Saúde no Sistema Penitenciário: o que falam os trabalhadores de enfermagem

Objetivo: analisar a atenção em saúde prestada às pessoas em regime de reclusão no sistema penitenciário na visão dos trabalhadores de enfermagem. Metodologia: estudo exploratório, de abordagem qualitativa, com análise da discussão dos participantes, a partir da questão norteadora: De que forma os trabalhadores de enfermagem percebem a atenção em saúde ofertada no sistema penitenciário? A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas gravadas, com assinatura dos termos de consentimentos livre e esclarecido, realizadas no mês de abril de 2014, com 21 trabalhadores de enfermagem do complexo penitenciário de Maceió- -AL, conforme aprovação do Comitê de Ética e Pesquisa da UFAL via Plataforma Brasil, e mediante CAAE nº 25016814.6.0000.5013, recebendo parecer favorável para sua publicação conforme protocolo nº 560.840. Resultados: a partir das análises das entrevistas, emergiram as três categorias: Muitas dificuldades, alguns privilégios; Tensão, medo e envolvimento; Força institucional x Atenção em saúde. Conclusão: O estudo contribui para a construção do conhecimento sobre a temática em questão, e a reflexão sobre a atenção em saúde ofertada no Sistema Penitenciário com vistas à melhor prestação dos serviços e cuidados as pessoas privadas de liberdade.
Palavras-chave: penitenciárias; atenção à saúde; enfermagem; saúde pública


Bibliografía

Andrade, J. M. S., Silva, A. K. L. y Figueiró, R. A. (2013). O sistema prisional e o trabalho do agente penitenciário: reflexões sobre o trabalho no cárcere. In R.A. Figueiró., E.S.S. Figueiró. y Minchoni, T. (Comps.) Saúde e sistema prisional: impasses e possibilidades no Rio Grande do Norte. Natal: Edunp. Disponível em: http://edunp.unp.br/pdf/SistemaPrisional.pdf.

Assis, R. D. (2007). A realidade atual do sistema penitenciário brasileiro. Revista CEJ, 11(39), 74-78. Disponível https://www.cjf.jus.br/ojs2/index.php/revcej/article/viewFile/949/1122

Assunção, C. H. V. (2010). A saúde da mulher: a situação das encarceradas do Presídio Feminino de Florianópolis. Monografia (Bacharelado em Serviço Social). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Brasil. (1988). Constituição 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal. Disponível http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Brasil. (2003). Portaria Interministerial n° 1777, de 09 de setembro de 2003. Dispõe sobre o Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário. Brasília. Disponível http://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/Portaria_1777.pdf.

Capitani, R. (2012). O meio ambiente prisional brasileiro e a saúde do preso: um estudo no Presídio Estadual de Bento Gonçalves. Dissertação (Mestrado)- Programa de Pós-Graduação em Direito. Universidade de Caxias do Sul.

Cardoso, D. R. y Araújo, S. T. C. (2013). Enfermagem no sistema prisional: o significado da comunicação pelos sentidos do corpo. In: 17º SENPE- Seminário de Pesquisa em Enfermagem, 2013, Natal/ RN. O clássico e o emergente: desafios da pesquisa em enfermagem, Jun. Disponível http://www.abeneventos.com.br/anais_senpe/17senpe/pdf/0055pr.pdf.

Carvalho, A. L. et al. (2006).Perfil dos internos no sistema prisional do Rio de Janeiro: especificidades de gênero no processo de exclusão social. Ciência Saúde Coletiva, 11(2), 461-71. Disponível http://www.scielo.br/pdf/csc/v11n2/30433.pdf.

Cavalcanti, V. M. (2012). Dupla privação: a realidade de apenados com deficiência física em presídios na Paraíba. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem) - Universidade Estadual da Paraíba.

Christoff, M. U. (2007). Saúde e cárcere: micro-unidades penitenciárias de atendimento hospitalar, no Rio Grande do Sul. Tese (Doutorado)- Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Cutolo, L. R. A. (2001). Estilo de pensamento em educação médica - um estudo do currículo do curso de graduação em medicina da UFSC. Tese (Doutorado em Educação). Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina.

Diuana, V. et al. (2008). Saúde em prisões: representações e práticas dos agentes de segurança penitenciária no Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, 24(8), 1887-1896. Disponível http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n8/17.pdf.

Dominguez, B. (2012). Uma política para garantir o direito à saúde no sistema prisional. Revista Radis, 118. Disponível http://www6.ensp.fiocruz.br/radis/revista-radis/118/reportagens/uma-politica-para-garantir-o-direito-saude-no-sistema-prisional.

Eugênio, M. R. (2012). A práxis do profissional enfermeiro no sistema penitenciário. Monografia (Graduação em Enfermagem). Cascavel, Faculdade Assis Gurgacz- FAG.

Gil, A.C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Gil, C. R. R. (2005). Formação de recursos humanos em saúde da família: paradoxos e perspectivas. Cadernos de Saúde Pública, 21(2), Disponível http://www.scielo.br/pdf/csp/v21n2/15.pdf  

Gomes, R. (2002). A análise de dados em pesquisa qualitativa. In M.C.S. Minayo, (Comp.) Pesquisa social: teoria, método e criatividade (PP.67-80). Petrópolis: Editora Vozes.

Leal, S. M. C. y Lopes, M. J. M. (2005). A violência como objeto da assistência em um hospital de trauma: "o olhar" da enfermagem. Ciência & Saúde Coletiva 10(2), 419-431. Disponível http://www.scielo.br/pdf/csc/v10n2/a20v10n2.pdf  

Mariath, C. R. y Rita, R. P. S. (2010). Polícia penitenciária: reflexo do sistema penal simbólico. Jus Navigandi, Teresina,15(2602). Disponível http://jus.com.br/artigos/17184.

Minayo, M. C. S. (2010). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 29ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Vozes.

Paim, J. S. (2001). Modelos assistenciais: reformulando o pensamento e incorporando a proteção e a promoção da saúde. Disponível http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/6168.

Santos, F. S. (2012). Cuidados aprisionados: Repercussões na saúde do trabalhador de enfermagem do Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico. Dissertação (Mestrado Profissional Enfermagem Assistencial). Niterói: Universidade Federal Fluminense/ UFF.

Santos, M. L. S. C., Souza, F. S. y Santos, C. V. S. C. (2006). As marcas da dupla exclusão: experiências da enfermagem com o psicótico infrator. Texto Contexto Enferm, 15, 79-87. Disponível http://www.scielo.br/pdf/tce/v15nspe/v15nspea09.pdf.

Santos, N., Veiga, P. y Andrade, R. (2011). Importância da anamnese e do exame físico para o cuidado do enfermeiro. Revista Brasileira de Enfermagem, 64(2), 355- 58. Disponível http://www.scielo.br/pdf/reben/v64n2/a21v64n2.pdf  

Savazzoni, S. A. (2010). Dignidade da pessoa humana e cumprimento de pena das pessoas com deficiência. Revista Eletrônica da Faculdade de Direito da PUC-SP 3. Disponível http://revistas.pucsp.br/index.php/red/article/view/5534/3949.

Silva Júnior, A. y Alves, C. A. (2007). Modelos Assistenciais em Saúde: desafios e perspectivas. In M. V. G. C. Morosini y A. D. A. Corbo, (Comps.). Modelos de atenção e a saúde da família.  Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz: 27-41. Disponível http://www.uff.br/tcs2/images/stories/Arquivos/textos_gerais/4_Modelos_Assistenciais_em_Sade_-_Aluisio_G._da_Silva_Jr_e_Carla_A._Alves.pdf.

Silva, E.L. (2005). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4. ed. rev. atual. Florianópolis: UFSC.

Souza, M. O. S. (2006). A Prática de enfermagem no sistema penal: limites e possibilidades. Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Rio de Janeiro: Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro.

Souza, M. O. S. y Passos, J. P. (2008). A prática de Enfermagem no Sistema Penal: limites e possibilidades. Esc. Anna Nery. Rev. Enferm, 12(3), 417-23. Disponível http://www.scielo.br/pdf/ean/v12n3/v12n3a04.pdf

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería